O momento do luto é muito significativo. Além de ser de extrema importância para a superação da perda, cada pessoa tem sua maneira singular de enfrenta-lo.

No entanto, as religiões se tornam grandes aliadas para este momento, oferecendo conforto e reflexão sobre a perda. Diferentes costumes e ritos são elaborados para este momento. Confira alguns rituais de morte com cunho religioso que fazem parte da despedida de um ente querido.

Cristianismo 

Na religião católica, são realizados o velório e sepultamento em sequência. Durante o velório ocorre o consolo aos os familiares e homenagens de diversas formas ao falecido. Essas homenagens envolvem a decoração das salas com flores, queima de velas e orações. Algumas famílias também usam apenas roupas pretas durante 7 dias, para demonstrar a perda e a ausência.

Para os cristãos, o luto é relembrado durante o Dia de Finados (02/11). A data é dedicada a orações e homenagens a quem já partiu. Por isso, visita-se muito os cemitérios nesta data.  

Judaísmo

Na crença judaica a morte representa uma passagem. Os judeus definem a morte como democrática. Ou seja: todos, independentemente da classe social, são enterrados da mesma maneira, sem ornamentos ou flores.

Antes do funeral, os membros da família do falecido rasgam um pedaço de suas próprias roupas, como símbolo do luto. Outros rituais também fazem parte da tradição judaica, como a de fazer várias paradas, ao acompanhar o caixão, em diferentes locais, para mostrar a relutância para a despedida.

O shivá também é uma tradição, que é o período em que a família fica sem fazer atividades comerciais ou de lazer, ele tem a duração de sete dias.

Candomblé

Com matrizes africanas, o candomblé não tem a morte como o fim. A morte significa um rito de passagem, a saída do corpo material. Quando a pessoa morre, é realizado um ritual pós-morte, que acontece em algumas etapas, como a preparação do corpo para liberar o espírito da matéria.

Após isso, é feito o velório com cantos que remetem à volta do espírito para o seu local de origem. Esse ritual é renovado após um ano e, ainda, repetido pelos próximos três anos seguintes. Também é comum a privação de prazer, como o consumo de álcool e ralações sexuais.

Hinduísmo

Os Hindus tradicionalmente são cremados. Eles acreditam que o corpo é formado por cinco elementos: fogo, água, ar, terra e éter. A morte significa a perda de um destes elementos e, a partir disso, a deusa do fogo vem para purificar o corpo e libertar a alma.

Os membros da família passam por um período de reclusão, que dura de 7 a 40 dias. Todos ficam em casa, comem só coisas leves e se desfazem dos pertences do finado.

A família também é considerada impura e deve tomar um banho de purificação ao voltar para casa. Durante o período de reclusão, os familiares não frequentam templos nem o comércio.

Budismo

Existem diversas fontes do budismo, assim os seus rituais podem variar conforme a localidade. Entre os rituais mais comuns está, após 7 dias de morte, a celebração da memória, momento em que familiares e amigos se reúnem e compartilham os bons momentos vividos com o falecido.

Também é comum a celebração do aniversário de morte que ocorrem no 1º, 3º, 7º, 13º, 17º e 33º ano da morte, onde amigos e familiares leem os textos sagrados e relembram a relação com o falecido.

Islamismo

Na cerimônia islâmica não existe funeral. O corpo é exibido publicamente para a orações. Também não são comuns choros ou lamentações.

Segundo a tradição, são feitas quatro exaltações a Deus. Após a primeira, recita-se o primeiro capítulo do Alcorão. Depois da segunda, pede-se bênçãos ao profeta Maomé. Em seguida à terceira, suplica-se por todos os mortos. Por fim, depois da última exaltação, pede-se pelo falecido especificamente.

Também é comum o enterro sem o caixão, apenas enrolados com um tecido branco de algodão.

Gostou de conhecer um pouco mais sobre os rituais de morte segundo algumas religiões? Deixe seu comentário em nosso post e, se souber, nos conte um ritual diferente que você conhece!