Apesar de ser uma tradição que já era praticada por gregos e romanos 1000 anos a.C., a cremação já foi considerada um tabu para a sociedade, principalmente por motivos religiosos. Porém, cremar o corpo tem sido a forma de despedida escolhida por muitas pessoas atualmente, e isso se dá por inúmeras razões.

Quer saber mais sobre o assunto? Neste post, vamos falar sobre os significados e benefícios de optar pela cremação do corpo após a morte. Continue a leitura e entenda mais!

Como funciona a cremação?

Como a cremação é um processo irreversível, ela exige alguns pré-requisitos para que seja realizada. Primeiro, é preciso obter o atestado de óbito firmado por dois médicos ou um legista.

Depois, caso não exista um documento que expresse a vontade da pessoa de ser cremada, será necessário obter um formulário de autorização preenchido pelos parentes de primeiro grau do ente querido, de acordo com o grau de parentesco da linha sucessiva: primeiro cônjuge, depois os descendentes e, depois, os ascendentes.

Se a causa da morte tiver sido violenta, é recomendado aguardar de 24 a 48 horas para realizar a cerimônia. Esse tempo pode ser necessário para determinar a causa do falecimento. Além disso, ela só é feita mediante uma autorização da autoridade judiciária responsável e apresentação de Boletim de Ocorrência.

Outra exigência é em relação ao recipiente que será utilizado durante a cremação. Ele deve ser de madeira, não pode permitir o vazamento de fluidos corporais e, ainda, deve oferecer proteção aos funcionários dos crematórios

Como é feita a cerimônia de cremação?

Na cerimônia, o corpo é colocado em uma câmara de cremação sob calor extremo. Ele é submetido a uma temperatura que varia entre 800 e 980ºC.

Esse processo costuma durar em torno de 3 horas. Alguns fatores influenciam nesse tempo, como o tipo de caixão ou o peso da pessoa que faleceu. Ao fim da cremação, as cinzas são colocadas em um recipiente temporário ou em uma urna e entregues à família.

Existe um novo método de cremação que está sendo implantado aos poucos em alguns países e que ainda não chegou ao Memorial Vera Cruz. Nele, não existe a queima dos corpos, o que evita a liberação de dióxido de carbono. Nesse processo, uma solução alcalina de hidróxido de potássio é usada para dissolver o corpo. Ele é chamado de “cremação ecológica”.

A cremação não agride o meio ambiente?

De toda forma, a liberação de dióxido de carbono por meio da prática da cremação é pequena. Por isso, esse é um método escolhido por muitas pessoas, já que não gera impactos para o meio ambiente.

As cinzas que são geradas durante a cremação não apresentam nenhum tipo de contaminação, tanto quando são espalhadas em locais públicos como quando ficam guardadas em casa. Elas são compostas, basicamente, de cálcio e potássio.

Além disso, os possíveis resíduos tóxicos que podem ser provenientes do processo são retidos em filtros específicos no próprio forno crematório, o que evita a contaminação do ar com gases poluentes. Esses são os mesmos filtros responsáveis pela redução da emissão do dióxido de carbono, que é realizada respeitando os padrões ambientais.

Cremar o corpo impede que ele e os outros itens envolvidos durante o sepultamento sofram decomposição. Isso evita a geração de qualquer tipo de resíduo, sólido ou líquido, que possa contaminar o meio ambiente.

Um ponto interessante é que as cinzas podem se transformar em árvores. Para que isso ocorra, elas são depositadas em urnas especiais e biodegradáveis. Essas urnas recebem a muda, terra e adubo. Apenas alguns dias são necessários para que a semente germine. Essa é uma opção bastante interessante entre as pessoas que se preocupam com o meio ambiente.

A cremação também auxilia no problema da superlotação dos cemitérios. Esse é um problema que está cada vez mais comum devido ao envelhecimento da população. Como essa prática não necessita de locais para enterrar os corpos, ela se torna uma opção viável e de menos impacto ambiental.

Onde guardar as cinzas?

Essa é uma dúvida frequente de muitos familiares após o processo da cremação ter sido realizado. O local de escolha para guardar as cinzas pode variar de acordo com as tradições da família e, até mesmo, com o desejo da pessoa que faleceu.

Muitos optam por guardar as cinzas em casa, para que o ente querido seja sempre relembrado por aqueles que o amam. Outra opção é dispersar as cinzas em algum lugar que tenha sido escolhido pela pessoa que partiu, como praias ou montanhas. A família pode, ainda, escolher um local para depositar as cinzas que tenha um significado especial para eles.

O que muitas pessoas não sabem é que existe a opção de guardar as cinzas em cinerários. Esses lugares são indicados para as famílias que desejam ter um local onde possam rezar, homenagear e reverenciar o ente querido.

Os cinerários podem ser utilizados para armazenar a totalidade das cinzas ou parte delas. As famílias podem decorar o espaço para que ele fique conforme o seu gosto. Esses são lugares de honra e respeito aos que partiram e podem ser muito significativos para os que ficam.

Por que optar por cremar o corpo?

Muitos são os motivos para optar pela cremação na hora de se despedir de uma pessoa querida. Além de ser um processo ecológico, é econômico e prático, o que pode facilitar a resolução das pendências no momento de luto da família.

Apesar de ser um costume milenar, a cremação é considerada, hoje, um serviço funeral moderno. As tecnologias envolvidas no processo crematório, aliadas à falta de espaço dos cemitérios das cidades, colocam essa prática como um dos métodos que menos agride o meio ambiente.

Gostou do nosso conteúdo? Agora que você já sabe melhor como funciona o processo de cremar o corpo, entre em contato conosco e conheça os nossos serviços. Nós podemos auxiliar você e sua família nesses momentos que são tão delicados.