Com a crescente preocupação sobre a questão ambiental, algumas possibilidades de enterros tradicionais estão se popularizando, como é o caso das inumações em lóculos verticais. Outra alternativa é cremar o corpo, mas você sabe como é realizada e quais são os significados e os benefícios da cremação?

Apesar de ser um costume muito antigo em várias civilizações e de estar se modernizando cada vez mais na cultura ocidental, essa prática ainda traz dúvidas acerca dos seus processos e da burocracia em relação a autorização. Para conhecer mais sobre o assunto, confira neste post os principais detalhes sobre a cremação. Acompanhe!

O que é a cremação?

A prática da cremação é milenar e consiste na queima do corpo da pessoa falecida até que se torne cinzas. Durante muito tempo, esse costume prevaleceu em diversas culturas, sendo mais tarde substituído pela tradição do sepultamento, especialmente devido a algumas crenças que não consideravam a queima como o melhor destino para o corpo.

Em algumas civilizações, essa prática era sagrada e proibida aos suicidas, já que o fogo era considerado um deus. Cremar quem tirou a própria vida ou quem morreu por ter sido atingido por um raio poderia contaminar as chamas.

Hoje em dia, a maioria das pessoas que opta pela cremação leva em conta as vantagens que essa forma de sepultamento tem em relação à tradicional, sobretudo em relação às possibilidades de destino para as cinzas. Conforme abordaremos mais a seguir, é possível guardá-las em casa, depositá-las em cinerários, dispersá-las ou até mesmo plantá-las para que virem uma árvore!

Quais as vantagens da cremação?

Em relação ao sepultamento, a cremação apresenta uma série de vantagens, a começar pelos custos, que normalmente são menores. A prática também é mais higiênica, sendo altamente recomendada nos casos em que há um número alto de falecidos em decorrência de doenças infecciosas.

Outro ponto importante é seu caráter ecologicamente correto: nos enterros tradicionais, feitos em cemitérios horizontais, a decomposição do corpo libera uma série de poluentes que podem contaminar a água subterrânea. Sem contar que, com a cremação, não há a liberação de gases poluentes, já que os fornos têm filtros próprios para a retenção de substâncias nocivas ao meio ambiente.

Além disso, a cremação é uma forma de enfrentar a dor do luto, pois dessa forma os familiares exercitam a consciência de que as memórias e as experiências vividas ao lado daquela pessoa querida são muito mais importantes do que o corpo, colocando em evidência a ideia de que a morte física não deve ser o centro do pensamento.

Quem pode ser cremado?

Qualquer pessoa que tenha manifestado este desejo pode ser submetida a essa prática, desde que haja a autorização para cremação. Para tanto, é necessário que a decisão seja firmada pelos parentes de primeiro grau do falecido, em uma linha sucessiva que respeita a seguinte ordem:

  • o cônjuge;
  • os filhos maiores de idade quando a pessoa não era casada;
  • em caso de não haver descendentes, os pais;
  • quando os pais não são vivos, os demais parentes próximos.

É importante observar que, quando a autorização é dada pelos descendentes, todos devem assiná-la. Além disso, é preciso que tenha a assinatura de mais duas testemunhas, e a apresentação do: 

  • atestado de óbito assinado por um legista ou por dois médicos; e 
  • uma cópia do documento de identidade e certidão de nascimento ou de casamento.

Como é feita a cremação? 

Enquanto todo o processo burocrático para a autorização da cremação é resolvido, ocorre o velório, caso a família queira realizar um, já que é opcional. Algumas famílias escolhem apenas ter uma breve cerimônia antes da cremação, para que possam receber os amigos e parentes para compartilhar o momento. No Brasil, é tradicional que se realize as cerimônias fúnebres com o corpo do ente querido presente, dentro de um caixão, com flores e todos os rituais religiosos desejados.

Depois de pelo menos 24h após o óbito, o falecido é levado para a câmara na qual haverá a cremação. A temperatura do forno vai de 800 a 980 ºC, suficiente para que o corpo se desintegre em cinzas. Todo o processo de queima dura cerca de três horas e, após esse período, o restante dos ossos são colocados em um moinho para que sejam triturados, já que os óxidos de cálcio resistem ao calor do forno.

É necessário usar um caixão?

Independentemente de o corpo ser sepultado ou cremado, a legislação exige que seja utilizado um caixão, especialmente porque, como você já aprendeu, antes do processo de queima é realizada uma cerimônia de velório.

Além disso, a estrutura de madeira serve de suporte durante a etapa do forno, possibilitando que o falecido seja transportado para a câmara sem que seja preciso manuseá-lo diretamente, como uma forma de respeito ao ente querido. Depois disso, os familiares decidem o que farão com as cinzas.

Pode-se cremar mais de um corpo ao mesmo tempo?

Além de ir contra a legislação, as dimensões do forno suportam somente uma cremação por vez, com tamanho suficiente para acomodar um adulto. Dessa forma, realizar o processo com dois ou mais corpos ao mesmo tempo é ilegal e impossível.

O que fazer com as cinzas?

A família do falecido decide o que fará com os restos do corpo. As opções mais comuns são depositá-los em urnas próprias, que podem ser levadas para casa, deixadas em cinerários, normalmente encontrados nos próprios crematórios ou, ainda, dispersar as cinzas em algum lugar onde se sintam conectados à natureza e em paz com o luto.

Há quem prefira transformar as cinzas em um objeto para ser guardado eternamente, como pedras preciosas, cristais ou obras de arte. Também é possível usar urnas biodegradáveis — elas recebem uma muda e terra, e são plantadas a fim de que as cinzas se transformem em uma árvore.

O mais importante é que a família tome a decisão pela conduta em relação aos restos da queima do falecido em conjunto, levando em conta, principalmente, os significados de cada ação. Dispersar as cinzas, por exemplo, simboliza o desprendimento para com o corpo físico. 

Por que contratar o serviço de cremação antecipadamente?

Engana-se quem pensa que contratar serviços funerários é uma prática somente para quem tem parentes idosos ou com doenças terminais. O ideal é que todas as pessoas se antecipem nesse sentido. Afinal, as parcelas de um plano de assistência funeral vão sendo pagas sem grandes problemas ao longo dos anos, evitando transtornos financeiros em um momento já tão conturbado como a perda de um ente querido.

Pensando nisso, que tal entrar em contato com o Memorial Vera Cruz? Estamos à disposição para mostrar nossos serviços, como a cremação, e tirar todas as suas dúvidas!