É difícil encontrar alguém que não tenha medo de morrer, não é? Mesmo os mais “durões” ou os mais devotos temem o momento de se despedirem definitivamente de suas vidas. A verdade é que a morte ainda é um grande tabu!

Muitos motivos contribuem para esse temor: não sabemos ao certo o que encontraremos depois. Temos medo de não conseguirmos conquistar nossos objetivos e sermos esquecidos. Nos preocupamos com os familiares que ficarão sozinhos.

Todos esses receios são normais! Algumas pessoas, porém, não conseguem de maneira nenhuma se prepararem para a morte — quando esse pavor assume proporções extremas, estamos falando de uma patologia conhecida como tanatofobia.

Neste post, abordaremos em detalhes o medo de morrer e suas consequências no dia a dia, bem como daremos algumas dicas para minimizar esse sentimento e viver o presente com sabedoria. Acompanhe!

O que é a tanatofobia?

O medo da morte não é exclusivo dos humanos — todos os seres vivos têm o instinto de evitar situações que coloquem suas vidas em risco. Apesar de sabermos que a morte é uma certeza para todos, é difícil aceitar esse fato sem nenhum tipo de apreensão.

No entanto, algumas pessoas podem desenvolver um sentimento mais extremo em relação a isso, que pode ser sintomático ou primário. No primeiro caso, estamos falando de quem começa a sentir pavor ao pensar em morrer devido a algum evento desencadeante ou como sintoma de outro problema, como:

  • ansiedade e depressão;
  • hipocondria ou medo de doenças;
  • traumas físicos ou psicológicos;
  • obsessões e transtornos de personalidade.

Já quando o medo de morrer é primário, isto é, quando não se relaciona a nenhuma outra causa, ele é definido como tanatofobia — fobia de Tânato, divindade grega que simboliza a morte.

Os portadores dessa patologia podem, até mesmo, se tornarem incapazes de participar de funerais ou de passarem perto de cemitérios, pois pensar em morte causa sintomas físicos e emocionais muito intensos.

Qual a diferença entre tanatofobia e encarar a morte como tabu?

A tanatofobia é um problema médico que deve ser tratado com terapias e, em algumas circunstâncias, com medicamentos — ou seja, apenas casos específicos podem ser diagnosticados como patológicos.

A grande maioria das pessoas com medo de morrer não chega a tal ponto. A consciência da morte, no entanto, pode ser desagradável e falar ou mesmo pensar sobre isso ainda é um grande tabu.

Prova disso é que, se o assunto surgir em uma roda de conversa familiar, dificilmente não vai haver pelo menos uma pessoa que se incomodará e pedirá para que todos falem sobre outra coisa.

Como superar a morte de um ente querido?

Apesar de todas essas barreiras, a morte é inevitável e chegará até você em algum momento. Mais do que isso, ela chegará, também, a todos os que você ama.

Perder um ente querido é, sem dúvidas, uma das maiores dores que o ser humano pode vivenciar. A única forma de superar essa perda é viver o luto e esperar o tempo cicatrizar as feridas.

Uma verdade é que, para aqueles que não refletem sobre o assunto de morte, despedir-se de alguém em definitivo pode ser ainda mais doloroso do que para aqueles que conseguem lidar melhor com esse fato.

Existe alguma forma de lidar com o medo de morrer?

Nessa altura do texto, você deve estar se perguntando se existe alguma forma de lidar com o medo de morrer. É claro que sim! É difícil extinguir todos os receios por completo, mas algumas atitudes positivas em vida levam a uma maior aceitação da morte.

Se você ainda é jovem, por exemplo, foque no presente. Aproveite cada dia como uma grande dádiva e seja grato por cada realização e conquista — afinal, é disso que se trata a vida: gratidão!

Se você já está na terceira idade, viva uma maturidade ativa e plena. A morte está cada dia mais próxima, isso é um fato para todos, até para os que acabaram de nascer. Por isso, não pense nisso como um motivo para ter mais receio.

Ao contrário, imagine a morte como uma boa recompensa, um agradável descanso depois de uma vida de realizações. Reforce suas relações interpessoais e viva com a leveza de quem já passou por inúmeros caminhos e, de cada um, levou grandes experiências.

Como focar de forma positiva na vida?

Ao invés de passar noites acordado temendo algo que você nem sabe quando acontecerá, dedique-se a viver a vida de forma positiva. Existe tanta coisa para fazer, aprender e compartilhar!

Quer algumas dicas? Nada mais simples — até porque as melhores coisas da vida estão justamente nas atitudes mais singelas. Por isso, comece hoje mesmo a:

  • cultivar relacionamentos saudáveis e tranquilos;
  • evitar sentimentos negativos e desgastantes;
  • aprender coisas novas;
  • dedicar-se à comunidade;
  • valorizar a companhia daqueles que lhe são queridos;
  • realizar seus maiores desejos e sonhos.

Uma sugestão é, também, estudar sobre a morte, sobre como diferentes culturas lidam com isso e, se você for uma pessoa religiosa, cultivar a sua espiritualidade e fazer as pazes com seus maiores receios.

Como minimizar o choque da morte?

Além de viver cada dia com plenitude e intensidade, você pode minimizar o medo de morrer e o choque que isso traz à sua vida e daqueles que você ama falando abertamente sobre o assunto.

Uma dica é refletir, desde já, sobre os rituais de sepultamento. Alguns procedimentos menos tradicionais exigem aceitação da família, como é o caso da autorização para cremação.

Por isso, é legal conversar com seus familiares e amigos mais próximos sobre o assunto. Isso é válido tanto para que suas vontades sejam respeitadas quanto para que todos lidem com a realidade da morte de forma mais natural.

Outra atitude bastante útil é contratar um plano de assistência funeral. Dessa forma, você já estará preparando a si mesmo e aos seus entes queridos, ao menos no aspecto financeiro.

Viu só como é possível lidar com o medo de morrer de forma saudável? O mais importante é assumir uma atitude positiva em relação à vida e ao fim dela, levando em conta, principalmente, o fato de que todos passarão por isso, inevitavelmente.

Gostou do conteúdo? Então não deixe de conferir, também, o nosso post sobre como diferentes religiões abordam o sentido da vida e sua relação com a morte. Boa leitura!