Vai viajar? Coloque em seu roteiro a visita em algum cemitério, pois eles são os grandes demonstrativos culturais e econômicos de alguns locais. Confira a nossa lista de cemitérios ao redor do mundo que você pode conhecer e aprender mais sobre arte, cultura, história, economia e muitas outras temáticas que podem ser observadas a partir de cemitérios!

Cemitérios também oferecem conhecimento

Os cemitérios, mesmo sendo espaços para um destino inevitável e comum, são reflexo da cultura de onde estão inseridos. Desta forma, muitos deles possuem características únicas e que revelam aspectos econômicos e sociais de suas localidades.

Separamos alguns cemitérios que possuem características reveladoras. São informações valiosas sobre a época em que foram construídos, seus contextos históricos e a realidade social da comunidade local. Confira as principais sugestões!

1 – Ossuário Shinjuku Rurikoin Byakurengedo

O grande crescimento populacional das cidades leva as empresas a repensarem sua forma de trabalho. Para o setor funerário não é diferente. Muitas modificações devem ser avaliadas diante desta moderna realidade.

A metrópole de Tóquio, no Japão, é um exemplo disso. Com uma população de cerca de 37 milhões de habitantes em sua região metropolitana, é a cidade mais populosa do mundo.

Um dos grandes problemas causados por tanta gente acumulada em pouco espaço é a supervalorização de terrenos, inclusive nos cemitérios. Lá, um terreno de tamanho mediano pode custar cerca de R$ 300 ou R$ 400 mil reais para um sepultamento tradicional.

A busca por novas alternativas, que viabilizassem a todos a dignidade na hora da morte, uniu a tecnologia e otimização de espaço. O Shinjuku Rurikoin Byakurengedo é um revolucionário na área por sua tecnologia de automação, desenvolvido pela Toyota.

O ossuário permite o armazenamento de restos mortais. Cada sepultado é identificado com um cartão. No momento da visita, esse cartão aciona com iluminação o local correto dos restos mortais que você deseja encontrar.

O projeto faz parte de uma exposição que debate o futuro das cidades. Uma experiência tecnológica que pode ser a grande referência para o futuro dos cemitérios.

Ossuário Shinjuku Rurikoin Byakurengedo

Ossuário Shinjuku Rurikoin Byakurengedo

 

2 – Cimitirului Vesel

O maior atrativo do Cimitirului Vesel, pode ser todas as suas cores, que tiram o estereótipo de cemitérios cinzas, de mármore e sóbrios que temos na memória. Seu outro grande atrativo, que é tradicional desde o seu início, em 1935, é a retratação de seus mortos por desenhos, sejam suas profissões, feitos na sociedade ou o tipo de morte.

O cemitério, localizado em Sapanta, na Romênia, próximo da fronteira com a Ucrânia, também conta as suas histórias a partir das tonalidades das lápides. Os moradores da aldeia fazem parte das escolhas na composição de cores, desenhos e escritos de cada espaço. Podendo assim informar diferentes aspectos, como por exemplo: a lápide com tons em vermelho mostra que a pessoa tinha paixão pela vida, já o amarelo indica que o indivíduo deixou vários descendentes.

A crença romena acredita em uma vida após a morte e que ela pode ser muito melhor do que a que vivemos. Por isso, o rito de passagem não é visto como um momento triste.

Cimitirului Vesel - Romênia / Cemitérios ao redor do mundo

Cimitirului Vesel – Romênia

3 – Cemitério La Recoleta

O cemitério destaca-se por sua arquitetura, que é referência em todo o mundo. Localizado em Buenos Aires – Argentina, no bairro que dá nome ao cemitério, ele é cercado de diversas lendas e superstições sobre os seus moradores.

A visita ao local relembra os tradicionais cemitérios visto em filmes, com estátua realistas, mausoléus de mármore e gigantescas abóbadas. Construído em 1822, o cemitério é um projeto do engenheiro francês Prosper Catelin. Para o projeto, Catelin usou como referência o cemitério parisiense Père-Lachaise.

Esse foi o primeiro cemitério público da cidade. A partir do século XIX, os arredores do local começaram a ser habitados por famílias ricas de Buenos Aires. Dessa forma, ele se tornou um espaço para o sepultamento de grandes figuras locais, como heróis da Independência, presidentes da República e cientistas. Assim, seus quase seis hectares propiciaram uma grande competição entre os maiores e mais luxuosos espaços dentro do cemitério.

O cemitério também retrata o auge econômico da cidade, além dos diversos estilos artísticos da época, que vão desde o Gótico ao movimento Art Deco.

Cemitério La Recoleta - Buenos Aires / Cemitérios ao redor do mundo

Cemitério La Recoleta – Buenos Aires

4 – Cemitério judaico Old Jewish

Esse é o segundo cemitério mais antigo da Europa, fundado na metade do século XV. Ele é localizado em Praga, na Tchéquia. A grande quantidade de corpos sepultados no local modificou totalmente a sua estética. No espaço, mais de 100 mil corpos judeus foram sepultados. O grande número, sem espaço para expansão do cemitério, fez com que os sepultamentos fossem feitos um por cima do outro, atingindo o nível de 12 camadas.

No local podem ser encontrados lápides de diferentes estilos e épocas, desde góticas, renascentistas e barrocas, até no estilo rococó. A crença judia não permite a retratação da imagem de mortos. Sendo assim, os sepultados são representados por itens que fizeram parte de sua vida.

Cemitério judaico Old Jewish - Cemitérios ao Redor do mundo

Cemitério judaico Old Jewish – Praga/Tchéquia

5 – BÔNUS! Cemitérios para visitar em Passo Fundo

Se você não está planejando nenhuma grande viagem para nenhum desses locais, temos uma sugestão para você aqui mesmo em Passo Fundo. Na verdade, não só uma, mas duas!

Aqui, o Cemitério Municipal Vera Cruz é o mais antigo e carrega muitas informações preciosas sobre a cultura e a população passo-fundenses. Muito do desenvolvimento do município está retratado nas obras de arte e mausoléus encontrados na geografia e na arquitetura do cemitério.

Logo ao lado, o Memorial Vera Cruz, único cemitério vertical do Norte do Estado, é capaz de dar continuidade a essas histórias a partir de uma ótica mais moderna sobre o sepultamento humano.

As visitas em ambos os cemitérios são abertas ao público.

Memorial Vera Cruz - Passo Fundo/RS

Memorial Vera Cruz – Passo Fundo/RS

O nascimento de dois projetos

A possibilidade de contar as origens de uma cidade a partir do cemitério ganhou vida com o projeto “Museu a Céu Aberto”, mantido pela Universidade de Passo Fundo (UPF). O projeto consiste em visitas guiadas por especialistas, que explicam a história local com base nos túmulos e seus sepultados.

Essa iniciativa, por sua vez, originou o livro “A morte não é o fim”. A obra foi produzida por historiadores do Instituto Histórico de Passo Fundo (IHPF) e do Arquivo Histórico Regional (AHR).

Neste livro, são indicados e retratados aspectos históricos, econômicos e sociais muito importantes sobre o desenvolvimento de Passo Fundo.

O Memorial Vera Cruz, junto do AHR e IHPF, além de outras entidades, também é um idealizador deste projeto. O livro pode ser adquirido diretamente no IHPF.

Livro a morte não é o fim

Gostou das nossas dicas? Qual deles vai entrar na sua lista de locais que deseja visitar? Conte para a gente! Sem tem alguma outra dica de cemitérios ao redor do mundo para indicar, deixe sua mensagem nos comentários! Aos poucos vamos ampliando o conteúdo.